QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODOEIRO TRATADAS COM REGULADORES DE CRESCIMENTO

LEONARDO CIRILO DA SILVA SOARES, Rogério Lorençoni, Adilson Nunes da Silva, Juan Piero Antonio Raphael, Ederaldo José Chiavegato, Durval Dourado Neto

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de reguladores de crescimento, aplicados via tratamento de sementes, na qualidade fisiológica de sementes de algodão. Foram testados três reguladores de crescimento (cloreto de mepiquate; cloreto de mepiquate + ciclanilida; cloreto de clormequate) em cinco doses (0; 1,5; 3,0; 4,5; 6,0 g de ingrediente ativo por kg de sementes). Realizou-se avaliações de condutividade elétrica, comprimento de radícula, comprimento de hipocótilo, comprimento total de plântulas, envelhecimento acelerado, germinação de sementes, e índice de velocidade de emergência de plântulas. Com os resultados obtidos, conclui-se que o tratamento de sementes com reguladores de crescimento interfere na qualidade fisiológica de sementes, reduzindo a germinação de sementes e a emergência de plântulas; e há diferença entre os efeitos dos reguladores de crescimento.


Texto completo:

PDF

Referências


BOX, G.E.; COX, D.R. 1964. An analysis of transformations. Journal of the Royal Statistical Society, London, v.26, p.211-252.

BRASIL. 1992. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Departamento Nacional de Produção Vegetal. Coordenação de Laboratório Vegetal. Regras para Análise de Sementes. Brasília, DF, 365p.

CARVALHO, L. H.; CHIVEGATO, E. I.; KONDO, J.L.; SABINO, J. C.; PETTINELLI JUNIOR, A.; BORTOLETO, N.; GALLO, P. B. 1994. Fitorreguladores de crescimento e captação na cultura do algodoeiro. Bragantia, Campinas, v. 53, n. 2, p. 247-254.

CASTRO, P.R.C. 2006. Agroquímicos de controle hormonal na agricultura tropical. Série Produtor Rural, Piracicaba, n.32, p.46.

DUTRA, A.S.; MEDEIROS FILHO, S. 2009. Influência da pré-hidratação das sementes de algodão na resposta do teste de condutividade elétrica. Revista Brasileira de Oleaginosas Fibrosas. Campina Grande, v.13, n.2, p.45-52.

HARTLEY, H.O. 1950. The use of range in analysis of variance. Biometrika, London, v.37, p.271-280.

JOST, P.H.; COTHREN, J.T. 2001. Phenotypic alterations and crop maturity differences in ultra-narrow row and conventionally spaced cotton. Crop Science, Amsterdam, v.41, p.1150-1159

KHAN, M.I.N.N.; HAYAT, R.S.A.K. 2005. Contribution of mepiquate chloride in drought tolerance in cotton seedlings. Asian Journal of Plant Sciences, Faisalabad, v.4, n.5, p.530-532.

LACA-BUENDIA, J.P. 1989. Efeito de reguladores de crescimento no algodoeiro (Gossypium hirsitum L.) Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal.Brasília, v.1, n.1, p. 109-113.

LAMAS, F. M. 2001. Reguladores de Crescimento. In: Embrapa Agropecuária Oeste. Algodão: tecnologia de produção. Embrapa Agropecuária Oeste; Embrapa Algodão, Dourados, 296p.

LAMAS, F.M. 2006. Fitorreguladores bem manejados equilibram crescimento da planta. Visão Agrícola, Piracicaba, n.6, p.81-84.

MAGUIRE, J.D. 1962. Speed of germination, aid in selection and evolution for seedling emergence and vigor. Crop Science. Madson, v.2, n.2, p.176-177.

MARCOS FILHO, J.; CÍCERO, S.M.; SILVA, W.R. 1987. Avaliação da qualidade das sementes. Piracicaba: FEALQ, 230 p.

MARUR, C.J. 1998. Fotossíntese e translocação de carboidratos em algodoeiros submetidos a déficit hídrico após aplicação de cloreto de mepiquate. Revista Brasileira de Fisiologia. Brasília, v.10, n.1, p.59-64.

MARUR, C.J.; RUANO, O. 2001. A reference system for determination of developmental stages of upland cotton. Revista de Oleaginosas e Fibrosas, Campina Grande, v.5, p.313-317.

McCARTY, J.C.; HEDIN, P.A. 1994. Effects of 1,1-dimethylpiperidinium chloride on the yields, agronomic traits, and allelochemicals of cotton (Gossypium hirsutum L.), a nine years study. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Easton, v.42, p.2302-2304.

NAGASHIMA, G. T.; MARUR, C. J.; YAMAOKA, R. S.; MIGLIORANZA, E. 2005. Desenvolvimento inicial de plantas de algodão provenientes de sementes embebidas em cloreto de mepiquate. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, Notas científicas.

NAGASHIMA, G.T.; MIGLIORANZA, E.; MARUR, C.J.; YAMAOKA, R.S.; BARROS A.S.R.; MARCHIOTTO, F. 2010a. Qualidade fisiológica e armazenamento de sementes de algodão embebidas em solução de cloreto de mepiquate. Ciência Agrotecnica. Lavras, v. 34, n. 3, p. 681-687.

NAGASHIMA, G.T.; MIGLIORANZA, E.; MARUR, C.J.; YAMAOKA, R.S.; GOMES, J.C. 2007. Embebição de sementes e aplicação foliar com cloreto de mepiquate no crescimento e produção do algodoeiro. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.31, n.4, p.1027-1034.

NAGASHIMA, G.T.; MIGLIORANZA, E.; MARUR, C.J.; YAMAOKA, R.S.;. SILVA, J.G. R. 2010b. Desenvolvimento inicial de plantas de algodão provenientes de sementes embebidas em cloreto de mepiquate. Ciencia Rural, Santa Maria, v.40, n.1.

NICHOLS, S.P.; SNIPES, C.E.; JONES, M.A. 2003. Evaluation of row spacing and mepiquate chloride in cotton. Journal of Cotton Science, v.7, p.148-155.

PAZZETTI G.A.; NASCIMENTO, A.; SCHWENING, F.F.; CARVALHO, C.L. 2009. Gerenciamento de crescimento pela aplicação de regulador de crescimento via semente e via foliar. CONGRESSO BRASILEIRO DO ALGODÃO, 7, Foz do Iguaçu. Sustentabilidade da cotonicultura Brasileira e Expansão dos Mercados: Anais... Campina grande: Embrapa Algodão, p. 820-828.

PEREIRA J.R.; ARAUJO W.P.; JÚNIOR. G.S.C.; LIMA, F.V. de.; JUNIOR, S.P.S. 2008. Modos de aplicação do Cloreto de Mepiquate em Duas Cultivares de Algodoeiro Herbáceo. Campina Grande, PB, Embrapa Algodão. 7 p.

REDDY, K.R.; BOONE, M.L.; REDDY, A.R.; HODGES, H.F.; TURNER, S.B.; McKINION, J.M. 1995. Developing and validating a model for plant growth regulator. Agronomy Journal, Madison, v. 87, n. 6, p. 1100-1105.

SALISBURY, F.B.; ROSS, C.W. 1991. Plant physiology. Belmont: Wadsworth, 682p.

SOARES, L.C.S. 2010. Efeito de reguladores de crescimento (via tratamento de sementes e foliar) no desenvolvimento e na produtividade da cultura de algodão. 2010. 131p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

SWAIN, S.M.; SINGH, D.P. 2005. Tall tales from sly dwarves: movel functions of gibberellins in plant development. Trend Plants Science, Londres, v.10, n.3, p. 123-129.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. 2004. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed. p.570-554.

VIEIRA, R.D., KRZYZANOWSKI, F.C. 1999. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F.C., VIEIRA, R.D., FRANÇA NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, p.4.1-4.26.

YAMAOKA, R.S.; ALMEIDA, W.P. de; PIRES, J.R.; MARUR, C.J.; NAGASHIMA, G.T.; SILVA, A.V. 2001. Comportamento de cultivares IPR 95 e Coodetec 401 ao adensamento de plantio do algodoeiro no estado do Paraná. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 3., Campo Grande. Resumos... Campo Grande: UFMS; Campina Grande: EMBRAPA-CNPA; Dourados: EMBRAPA-CPAO, v.1. p.609-611.

ZHANG, S.; COTHREN, J.T.; LORENZ, E.J. 1990. Mepiquate chloride seed treatment and germination temperature effects on cotton growth, nutrient partition, and water use efficiency. Journal of Plant Growth Regulation, New York, v.9, p. 195-199.




DOI: https://doi.org/10.37856/bja.v90i2.220

Apontamentos

  • Não há apontamentos.